Hora de Aventura Distant Lands: BMO & Obsidian

Bom dia, pessoal! Aqui é a Felicia e eu quero compartilhar com vocês um texto que a Clarice escreveu sobre Hora de Aventura.

No final de Hora da Aventura a produção decidiu fechar a série com um grande épico! Um novo vilão, uma grande batalha, uma guerra para decidir o destino do reino de OOO. E foi maravilhoso!

Houveram momentos extremamente marcantes como a destruição da Casa na Árvore e o beijo entre a Marceline e a Jujuba. Só acabou parecendo mais um final de temporada do que um final de série mesmo. E o problema foi esse: Hora de Aventura não é sobre momentos épicos e grandiosos. É sobre aventuras bizarras e emocionais com personagens marcantes.

Então, felizmente, é aí que entra Distant Lands: A nova mini-série da HBO Max onde teremos 6 episódios novos, cada um focando em um personagem que amamos na Hora da Aventura, e agindo realmente como um último momento da audiência com esses rostos que a gente se apegou tanto.

O primeiro episódio foi focado no BMO, nosso consolezinho não-binário favorito, indo parar numa estação espacial muito estranha onde ele imediatamente faz amizade com uma menina coelho muito fofa e se auto intitula cherife da estação.

O visual e a trama desse episódio parece ter sido inspirada por Space Operas como Moebius, mas, é claro, com com aquele toque “Hora de Aventura” que a gente ama. E aqui a gente vê a positividade e jeito infantil, explorador e maravilhado do BMO modificar profundamente a vida das pessoas que vivem nessa estação.

É uma aventura bem típica de Hora da Aventura, e eu tava com bastante saudades desse tipo de vibe que só esse desenho consegue se proporcionar. E pra fechar tudo com um grande laço vermelho, o ep ainda termina com uma crítica bastante pontual ao capitalismo e o consumismo desenfreado.

Obsidian foi o segundo ep. E ele parece bem mais com algo vindo da “segunda fase” de Hora da Aventura que foi muito influenciada por Rebecca Sugar e a sua pegada mais musical e emocional.

Logo de cara a gente vê aqui o nosso OTP, Marceline e Jujuba, vivendo uma vida típica de casal. Isso é algo que me deixa muito feliz porque a maioria das histórias de aventura trata o casamento como o fim da história daquelas personagens. O fim da aventura. Felizes para sempre. Ver a retratação da rotina de casal, e mais importante, as complicações que surgem com toda essa intimidade, é quase sempre algo positivo nas histórias que a gente vê.

E essa história se trata da dificuldade de se abrir. Expor todos os seus sentimentos pra pessoa que você ama, e que mesmo com todas as melhores intenções e sentimentos, comunicação é algo difícil.

Aqui a gente aprende muito sobre o passado da Marceline, e aprende que nós não precisamos ter vergonha dos nossos machucados nem viver em função deles. É um episódio lindo.

Saindo mais episódios de Distant Lands a gente fala mais deles e posta aqui!

Jogue Uma Moeda Pra Sua Bruxa

Se puder, joga uma moeda no chapéu pra apoiar a gente!

R$1,00
R$5,00
R$20,00

Ou digite um valor personalizado

R$

Valeu a força <3

Faça uma doação

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.