Arquivo da categoria: Narrativa Linear

Resenha: Ever Forward

Pode-se dizer que existem 2 tipos de jogos de Puzzle. Por um lado temos jogos como Tetris e Bejeweled: Jogos completamente abstratos onde você é recompensado com pontos ou power ups por fazer as combinações certas ou resolver problemas lógicos sem qualquer aplicação real. Às vezes esses tem uma pequena narrativa pra ilustrar as ações do jogo como algo menos abstrato, mas geralmente elas não são algo realmente necessário pros puzzles fazerem sentido, como em Puzzle Quest e Sushi Strike.

E por outro, temos jogos como Portal e Brothers: A Tale of Two Sons onde os puzzles servem de maneira direta à narrativa, e a narrativa serve de maneira direta aos quebra cabeças criando uma experiência emocional completa.

Eu acredito que o segundo tipo de jogo de puzzle é consideravelmente mais difícil de produzir. Um nível avançado de compreensão das técnicas de metalinguagem dos videogames é necessário pra que o jogo se torne uma experiência coesa, e eu acredito que Ever Forward é o melhor exemplo possível do que NÃO fazer quando se está desenvolvendo um jogo de puzzle narrativo.

Continuar lendo Resenha: Ever Forward

Pais de Videogame e Masculinidade: Geralt e Kratos

Hoje é Yule, a noite mais longa do ano, onde o nascimento da Criança da Promessa coincide com a Caçada Selvagem de Odin.

Ano passado eu expliquei pra vocês os básicos do Yule e o que nós da Wicca celebramos no dia 21 de junho.[1] Mas pra quem não leu: Esse feriado se trata do nascimento da “Criança da Promessa”, onde celebramos as bênçãos da maternidade, da paternidade, e da união e amor familiares.

Naquele texto eu acabei expressando uma certa frustração por praticamente não existirem videogames sobre maternidade no mercado mainstream. Por outro lado, a Paternidade vem sido muito bem trabalhada nas últimas duas gerações. Parece lógico o motivo pelo qual isso acontece: A grande maioria dos desenvolvedores de videogame são homens e muitos deles hoje em dia tem filhos pequenos, e experiência pessoal suficiente com os desafios da paternidade que pode ser refletida nos seus trabalhos artísticos com exatidão.

Eu não sou pai nem mãe. Pretendo ter filhas algum dia na minha vida, mas eu estou muito longe da maturidade emocional e da condição financeira social para realmente criar uma criança. Entretanto, eu sou filha, já fui filho, e eu tenho pensando muito em como a relação com meu pai poderia ter sido diferente e mais sadia se ele visse os exemplos de pais que eu vejo nos videogames hoje em dia.

Spoilers de God of War III e God of War (2018) a frente.

Continuar lendo Pais de Videogame e Masculinidade: Geralt e Kratos

Naughty Dog e o Fascínio Com A Morte

Você já ouviu falar num livro chamado O Diário de Turner?

É horrível. Se você não leu ainda, considere-se abençoada. Esse livro vem sido usado como inspiração para ataques terroristas da extrema direita desde os anos 90 nos Estados Unidos, e é um resumo extremamente sucinto do que a essa visão política considera uma utopia, e o que é justo de ser feito para atingir essa utopia.

Tem resumos bem curtos e diretos sobre ele na internet [1] e esses resumos são todo o engajamento que você vai precisar ter com esse livro na sua vida inteira.

Continuar lendo Naughty Dog e o Fascínio Com A Morte

Sendo Gostosa Que Nem A Bayonetta no Beltane de 2019

Por incrível que pareça, o dia das bruxas não é oficialmente celebrado por nenhuma religião neo pagã que siga a roda do ano do hemisfério Sul. Afinal, aqui estamos no meio da primavera e a energia natural é bem diferente no hemisfério Norte onde o outono começa a dar espaço pro inverno.

O dia 1 de novembro para pagãs do nosso hemisfério é o dia de Beltane. O festival do sexo, da fertilidade e do casamento. Onde humanos, bem como vários outros animais na primavera, cortejam uns aos outros para trocar carícias, fluídos, e as vezes, genes. Tentando imitar a Deusa e o Deus que hoje se casam.

Continuar lendo Sendo Gostosa Que Nem A Bayonetta no Beltane de 2019

O Sacrifício do Herói e A Jorndada da Heroína: Dark Souls e Hellblade

Se imagine no escuro. No frio. Você sabe que há um mundo lá fora esperando por você e seus colegas, mas ele é inalcançável. Mas ali você encontra uma chama. Uma chama tão forte que lhe confere o poder – não – a responsabilidade de levar o seu povo para o mundo lá fora, destruir aqueles que os aprisionaram, e tomar esse mundo como vosso.

É o que aconteceu com Gwyn no prelúdio de Dark Souls, aclamado videogame desenvolvido pelo estúdio FromStofware.

Continuar lendo O Sacrifício do Herói e A Jorndada da Heroína: Dark Souls e Hellblade