Arquivo da categoria: Literatura

Terrorismo Doméstico e Sofrimento Empático

TW: Todos. Esse post é horrível.

As meninas das fotos são Keyla França e Leelah Alcorn, ambas mulheres trans vítimas de suicídio. A foto da esquerda foi tirada no desastre de Orlando.

Primeiramente: Pra quem acha que isso é mimimi GGGG branco: Vai se foder. A hostess do evento era uma mulher transgênera porto-riquenha negra e teve outras mulheres, trans e cis, entre as vítimas feridas, mortas e aterrorizadas; e a grande maioria das pessoas na boate eram latinas. E mesmo que as vítimas fossem todas homens gays cis, o que tornaria a situação menos trágica?

No dia 12 de junho de 2016, um cara aparentemente gay que não queria sair do armário estava tão frustrado com a própria sexualidade que decidiu entrar numa das principais boates LGBT de Orlando nos EUA, com um rifle AR-15, pra provar que era macho. Este mentecapto fruto de uma cultura homofóbica matou 49 pessoas e feriu gravemente outras 53. Este imbecil foi morto pela polícia antes que pudesse matar mais alguém.

No dia 27 de maio, 33 homens coletivamente estupraram uma garota de 16 anos no Rio de Janeiro. Muitas outras garotas vítimas de abuso sexual cometeram suicídio quando viram a população brasileira negar o acontecimento diante de provas irrefutáveis. Ninguém ouviria essas garotas e a morte se provou mais atraente do que a luta pela verdade.

E misturando as duas tragédias? Bom, sites de notícia paranaenses cobrem as suas necessidades: No dia 14 de abril, 4 moleques de 15 a 17 anos estupraram e mataram uma jovem travesti de 14 aninhos de idade no interior do Paraná. Eles esconderam o corpo da criança que só foi encontrado uma semana depois. E a morte dessa menina é apenas uma nas mais de 85 mortes de pessoas trans e travestis no brasil que aconteceram SÓ NESSE ANO que não chegou nem na metade ainda. Isso sem contar os suicídios.

E eu chorei com cada uma dessas violências… Continuar lendo Terrorismo Doméstico e Sofrimento Empático

Terra-Média: Sombras de Sexismo

Nunca teve muitas personagens femininas em Senhor dos Anéis, e eu serei a primeira fã da série a admitir isso. Mas as poucas que estão lá são muito legais: Galadriel, Arwen, Éowyn (que é a personagem mais foda da série, diga-se de passagem). Nenhuma personagem é trans, mas o livro foi escrito em 1937~45. Vamos dar um desconto pro autor né?

Acontece, que em 1937 o Tolkien já tinha noção de que mulheres não precisam ser troféus pra história de um cara ou estar sempre em perigo. Mesmo a Arwen, que é a personagem mais sem sal dos filmes (eu detesto os livros de Senhor dos Anéis. Me crucifiquem), tem seus vários momentos de heroísmo.

Mesmo assim em pleno ano 2014, escritores da Monolith Games que trabalharam em Terra-Média: Sombras de Mordor não conseguem escrever UMA porra de uma personagem feminina que não seja uma donzela em perigo.

Em um jogo baseado na obra do Tolkien, ainda por cima.

Eu me senti particularmente ofendida com isso.

Aqui tem spoilers de O Senhor dos Anéis e Terra-Média: Sombras de Mordor (mas sério, a história desse jogo é uma bosta. Não ligue pra spoilers de histórias bostas). Continuar lendo Terra-Média: Sombras de Sexismo